OUÇA A RÁDIO CATARINA FM ONLINE - CLIQUE NO PLAY

Ticker

6/recent/ticker-posts
header ads

Secretária de Saúde de Catarina, Dra. Valéria Rodrigues, contesta números do vacinómetro da Covid-19 da Secretaria de Saúde do Estado e disse ao Diário do Nordeste que já foi solicitado revisão de meta, que não condiz com a realidade atual. A cobertura atual em Catarina é de mais de 97%, do público apto e não 48,1% atribuídos pela SESA, disse a secretária.

 Matéria oficial do Diário do Nordeste 


Com 13 meses de aplicação, veja as cidades do Ceará com menor esquema básico da vacina completo.


A vacinação contra a Covid-19 começou há um ano e um mês no Brasil, e o país já aplica a terceira dose em grande parte da população. Contudo, ainda há locais onde o esquema primário da imunização - com duas doses ou dose única - está abaixo da meta. No Ceará, 23 cidades têm menos de 75% da população atendendo a essas condições.

No geral, a cobertura do esquema básico no Ceará está em 88,5%, com quase 6,8 milhões de beneficiados. Porém, os dados por município revelam discrepâncias entre os processos: 43 cidades estão abaixo dos 80%, e 11 têm menos de 70%.A análise considera a aplicação de segundas doses (Coronavac, Astrazeneca e Pfizer) e doses únicas (Janssen) na população acima de 12 anos, que, pelos prazos oficiais, já está apta à D2. Crianças de 5 a 11 anos não foram incluídas porque o esquema começou em janeiro.

Em tira-dúvidas sobre o coronavírus, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) considera que, em teoria, é preciso que pelo menos 70% da população esteja imunizada para que a proteção coletiva tenha “um papel significativo no controle da pandemia”.

Porém, a Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim) alerta que, dada a grande capacidade de contágio do SARS-CoV-2 (inclusive por assintomáticos), “quanto maior a cobertura vacinal, maior a redução na circulação viral, menor a transmissão e, consequentemente, menor a chance de os vírus produzirem variantes”.

Com poucas pessoas vulneráveis, a circulação do agente que causa a doença cai, protegendo de modo indireto aqueles que não estão imunizados.
SBIM

Além de atrasos na busca pela segunda dose, algumas Prefeituras apontam inconsistências nos dados das bases estadual e federal, que divergem das informações locais. 

Em Cascavel, na Região Metropolitana de Fortaleza, a Secretaria Municipal de Saúde aponta 46,2 mil pessoas com mais de 12 anos vacinadas com a D2, contra 37,7 mil do vacinômetro. Assim, a cobertura atual é de 76,6%, e não dos 62,4% atribuídos pelo ranking estadual.

Valéria Rodrigues, secretária municipal de saúde de Catarina, cidade com menor percentual do Estado, de acordo com o vacinômetro, informou que, na verdade, “já vacinamos mais de 97 % do público apto para a vacinação no Saúde Digital”.

“Passamos nossa situação para o Estado e solicitamos revisão de meta, que não condiz com a realidade atual. Já fizemos várias buscas ativas e todas as unidades de saúde já repassaram que foi vacinado praticamente todo o público, restando apenas as recusas que é um número muito baixo”, reforça.

Estratégias em desenvolvimento

Em entrevista ao Sistema Verdes Mares, a  presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems-CE), Sayonara Moura Cidade, projeta que o objetivo é ultrapassar a marca dos 95% em todo o Estado.A representante defende que, além de “vacinar mais pessoas o mais rápido possível", é necessário que o processo seja simétrico, “com todas as regiões avançando juntas na cobertura vacinal”. Cariri e Norte têm as maiores taxas, atualmente, enquanto o Sertão Central fica em último lugar.

Para complementar o processo dos atrasados, Sayonara lista ações como a busca ativa e a descentralização de pontos de vacinação, além da ampliação do horário de funcionamento dos locais de aplicação.

Três doses são necessárias

Segundo a médica infectologista Melissa Medeiros, não só o esquema primário é importante, mas também buscar a dose de reforço contra a Covid-19. Atualmente, ela é recomendada num intervalo de quatro meses após a D2.

“A gente sabe que, depois de mais ou menos uns quatro meses, a gente começa a ter baixa das titulações de anticorpos, e, embora a gente não saiba qual seria o ideal, elas ficam diretamente relacionadas ao grau de proteção contra a infecção”, explica.

Ou seja, a terceira dose ela vem para “acordar” o sistema imunológico depois de estimulado pelo esquema básico, especialmente entre os idosos e pessoas com a imunidade comprometida. Assim, as vacinas cumprem seu papel de fornecer proteção a longo prazo.

Escrito por Nícolas Paulino nicolas.paulino@svm.com.br 

Fonte - Diário do Nordeste 

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/ceara/com-13-meses-de-aplicacao-veja-as-cidades-do-ceara-com-menor-esquema-basico-da-vacina-completo-1.3195823

Foto da reportagem: Carlos Eduardo / Prefeitura de Catarina


Postar um comentário

0 Comentários

header ads