OUÇA A RÁDIO CATARINA FM ONLINE - CLIQUE NO PLAY

Ticker

6/recent/ticker-posts
header ads

Presa pela morte de sete pessoas, vereadora de Ibaretama toma posse de dentro do presídio

 

Foi de uma sala no presídio feminino Auri Moura Costa, em Aquiraz, que a vereadora eleita de Ibaretama, Edivanda de Azevedo, tomou posse na Câmara Municipal da cidade. A parlamentar, dois filhos, um enteado e um irmão são réus pela chacina que vitimou sete pessoas em Ibaretama, em novembro do ano passado. Entre os mortos estava uma criança de seis anos.

Apesar de assumir o mandato na última quarta-feira (21), a vereadora não poderá exercê-lo, já que está presa desde dezembro de 2020

A posse foi determinada pelo juiz Welithon Alves de Mesquita, da 1ª Vara Cível da Comarca de Quixadá, por meio de um mandado de segurança. Ao impetrar pedido de liminar, a defesa solicitou que Edivanda fosse empossada, passasse a participar das sessões de forma virtual, a partir do presídio onde está encarcerada, e recebesse o salário. Os pedidos foram parcialmente atendidos pelo magistrado, que determinou a posse em até cinco dias da parlamentar, sob pena de multa de R$ 1 mil caso a Mesa Diretora da Casa não atendesse a decisão. 

O juiz, no entanto, pondera que ela não participará das sessões enquanto estiver presa. “A posse não implica e nem se confunde com o exercício do cargo de vereador para o qual a impetrante está impossibilitada, em razão da prisão provisória. Outrossim, não há de prosperar o pedido liminar para restabelecimento do salário, nem receber os subsídios atrasados”, decidiu o magistrado. 

VEREADORA JURA RESPEITAR AS LEIS

Seguindo os trâmites da posse, a vereadora fez o juramento em que prometeu respeitar as leis e garantiu ser inocente da acusação que a mantém presa. 

“Prometo cumprir a Constituição Federal, a Constituição Estadual, a Lei Orgânica do Município, e as demais leis em vigor. (Prometo) desempenhar o mandato que me foi confiado, trabalhar pelo progresso do Município e pelo bem-estar do seu povo”.
EDIVANDA DE AZEVEDO
Vereadora em Ibaretama

“Agradeço à presença de todos. Não pude estar aí, mas tenho um compromisso com esse município. Todos que me conhecem sabem a pessoa que sou, ninguém está incapaz de acontecer o que aconteceu comigo, mas, se Deus quiser, vou provar minha inocência e sair daqui. Não tenho vergonha do que aconteceu, porque sou inocente, vou provar e sair daqui de cabeça erguida para cumprir o que prometi ao meu povo”, concluiu a vereadora. 

O CRIME

O crime do qual a vereadora é ré ocorreu em 26 de novembro de 2020, na localidade de Ouro Preto, Distrito de Pedra e Cal, no município que fica a cerca de 130 km de distância de Fortaleza. De acordo com as investigações, Edivanda e os familiares teriam planejado a chacina para acabar com assaltos recorrentes na região, que é reduto político da vereadora. 

Legenda: Vítimas foram assassinadas dentro de uma residência, enquanto dormiam
Foto: Leábem Monteiro

Segundo a Polícia Civil, além da parlamentar, a quadrilha era formada por Victor Azevedo Lima e Kelvin Azevedo Lima, filhos da vereadora; Edvan Lopes dos Santos Azevedo, irmão de Edivanda; e o enteado Josenias Paiva Lima de Andrade. 

Além do grupo de familiares, completam a lista de Wandeson Delfino de Queiroz, suposto líder de uma facção criminosa que teria comandado a matança; e João Paulo de Oliveira Campelo, acusado de integrar a mesma facção.

A defesa da família nega participação no crime e alega que faltam provas na acusação do Ministério Público do Ceará (MPCE).

Foto: Reprodução. Fonte - Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários

header ads