terça-feira, 20 de abril de 2021

Cenário piora e 177 cidades do Ceará estão no nível 'altíssimo' para transmissão da Covid-19

Foto - Helene Santos

 A tendência de queda  na taxa de contágio do novo coronavírus apontado por especialistas ainda não se reflete nos indicadores das cidades cearenses. De acordo com a plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde (Sesa) do Estado, todos os municípios permanecem com alerta alto ou altíssimo para transmissão da Covid-19.Em comparação com a semana anterior, houve uma sensível piora. Eram 176 cidades no alerta "altíssimo", agora são 177. A métrica do sistema vai de baixo (nível 1) a altíssimo (nível 4). 

Na análise anterior — período correspondido às semanas epidemiológicas 13 e 14 — oito cidades estavam em nível de alerta alto: Paramoti, Iracema, Piquet Carneiro, Catarina, Orós, Icó, Granjeiro e Lavras da Mangabeira.

Agora — nas semanas 14 e 15, período correspondido entre os dias 4 a 17 de abril — o número caiu para sete: Itatira, Tarrafas, Campos Sales, Araripe, Icó, Jaguaribara e Catarina, única que cidade que não teve alteração no quadro. 

MEDIDAS RESTRITIVAS

Esse panorama ainda preocupante forçou algumas cidades a adotarem medidas mais restritivas do que as vigentes no decreto estadual. Antonina do Norte, Capistrano, Santana do Cariri e Baturité mantiveram o lockdown diante do aumento exponencial dos casos. 

Nestas três primeiras cidades, além do fechamento de supermercados e a proibição da circulação de moradores nas ruas, os decretos municipais vetaram a venda de bebidas alcoólicas.

Ontem (19), Quixadá, no Sertão Central, também proibiu a comercialização de bebidas. A restrição se estende até a próxima segunda-feira (26). Esta já é a segunda vez, neste ano, que o município aplica a medida. A primeira foi no dia 1º de março. Naquela ocasião, houve também toque de recolher. As restrições duraram por uma semana.

PROJEÇÃO POSITIVA 

Para traçar as métricas de risco de contágio nas cidades, a Sesa leva em consideração cinco indicadores (Incidência de casos por 100 mil habitantes, internações, percentual de leitos ocupados, taxa de letalidade e taxa de positividade nos testes). Destes, apenas uma apresenta tendência crescente: a taxa de letalidade, que atualmente está em 3,1%. Os demais apontam tendência de queda.

  • Incidência por 100 mil habitantes: 360;
  • Internações: 516,9;
  • Percentual de leitos de UTIs ocupados: 92,9%;
  • Taxa de letalidade: 3,1%;
  • Taxa de positividade em testes RT-PCR: 48,2%

Se esses indicadores continuarem em queda, a projeção é de que ocorra, nas próximas semanas, melhora no risco de transmissão da Covid-19, no Ceará. A última vez que o Estado teve pelo menos uma cidade dentro da classificação de risco moderado foi no início de abril. À época, Pereiro e Ererê estavam no risco nível 2

ENTENDA A CLASSIFICAÇÃO:

  • Novo Normal: Taxa de ocupação dos leitos menor que 70%; taxa de letalidade inferior que 1%; e percentual de positividade de testes menor que 25%;

  • Moderado: Taxa de ocupação dos leitos entre 70% e 80%; taxa de letalidade entre 1% e 2%; percentual de positividade de testes para diagnóstico da Covid-19 entre 25% e 49,9%;

  • Alto: Taxa de ocupação dos leitos entre 80,1% e 95%; taxa de letalidade entre 2% e 3%; percentual de positividade entre 50% e 75%;

  • Altíssimo: Taxa de ocupação dos leitos superior a 95%; taxa de letalidade maior que 3%; e percentual de positividade de testes para diagnóstico da Covid-19 acima de 75%

    CASOS NO CEARÁ

    Conforme a última atualização do IntegraSus, feita às 17h13 de ontem (19), o Estado já tinha 623.781 casos confirmados da doença, dentre os quais 43%, ou 273.473, foram registados somente em 2021.

    Ao todo, já são 16.307 óbitos, sendo 36,8% neste ano. Ainda segundo a Sesa, já são 426.928 recuperados e há atualmente 91.990 casos em investigação.