quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Lockdown: estados têm bomba-relógio na mão e vivem dilema entre saúde e economia

 

Foto - José Leomar

O governador Camilo Santana (PT), ao responder a uma pergunta sobre o auxílio emergencial, durante entrevista em Brasília, tocou em um ponto nevrálgico para o momento: a adoção de medidas restritivas que impactam as atividades econômicas.

Reconheceu o governador que as medidas implementadas pelos decretos de distanciamento social “prejudicam a economia e as pessoas”, mas que são “o único caminho” para conter a alta acelerada dos casos de Covid-19 no Estado. Mais próximos da realidade da saúde – pública e privada – nos estados, os governadores, entre eles Camilo, têm em mãos uma bomba-relógio.Praticamente todos os gestores estão no mesmo barco: os especialistas em Saúde aconselham medidas mais restritivas, como o ‘lockdown', mas os agentes políticos precisam olhar para todo o contexto social e econômico. Estes dois últimos, que formam a conjuntura, têm inviabilizado o fechamento, como ocorreu na primeira onda, em 2020.

Discórdia no consórcio

As dificuldades objetivas para um fechamento mais rígido rondam os palácios governamentais em vários estados. E uma prova clara disso está no consórcio de governadores do Nordeste. Recentemente, o renomado cientista Miguel Nicolelis deixou a coordenação do comitê científico criado no consórcio.

Nos bastidores, o motivo teria sido o fato de governadores da região não terem seguido os alertas dele de que precisavam fazer um lockdown para evitar o cenário difícil que se vê agora. Pelo menos Ceará, Pernambuco, Bahia e Piauí estão em situação bastante delicada.

Urgência federal

Em coro, os governadores pediram ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e ao do Senado, Rodrigo Pacheco, prioridade para a criação de um orçamento para a saúde e também a discussão da volta do auxílio emergencial. Somada à chegada de mais doses das vacinas e de uma imunização rápida e eficaz, essas providências são fundamentais para evitar o caos que se avizinha. Os casos têm sido mais graves, as UTIs estão lotadas e não chegamos ainda ao chamado platô.

Vem ou não vem?

Ainda segue sem confirmação oficial a visita do presidente Bolsonaro ao Ceará marcada para a próxima sexta-feira (26). Nos bastidores, servidores de órgãos como o Dnit, por exemplo, dão como certa a vinda dele para anunciar um pacote para estadas. Entre os parlamentares federais cearenses, a maioria desconhece a informação. A conferir.

Exemplo de Roosevelt

Em entrevista a este jornal, o prefeito de Aracati, Bismarck Maia (PTB), revela uma situação preocupante para o turismo com o avanço da pandemia. Os prejuízos financeiros para o Município sem o Carnaval foram altos. Até a conquista dos voos diretos da Azul de São Paulo para o município acabam ficando comprometidos.

Para superar a crise econômica decorrente da pandemia, ele recorre à tática de Roosevelt de reforçar investimentos públicos para gerar renda. Além disso, manter pagamentos em dia de trabalhadores e fornecedores e comprar alimentos para distribuir entre a população vulnerável. O momento é crítico para a maioria dos municípios cearenses.