RÁDIO CATARINA FM ONLINE, CLIQUE NA IMAGEM PARA OUVIR.


RÁDIO CATARINA FM ONLINE, CLIQUE NA IMAGEM PARA OUVIR.

domingo, 20 de dezembro de 2020

Ministério Público pede cassação de sete prefeitos cearenses; processos ainda serão julgados; Coreaú, Nova Russas, Pacujá, Madalena, Fortaleza, Camocim e Pires Ferreira

 

Foto: Foto: José Leomar

Desde a realização do 1º turno das eleições municipais 2020, o Ministério Público do Ceará (MPCE) pediu a cassação do diploma para tentar barrar o mandato de sete candidatos eleitos. O principal motivo das ações do MPCE é por suposta compra de votos durante a campanha, além de abuso de poder econômico e político. Os casos, entretanto, ainda não foram julgados, passarão pela análise da Justiça Eleitoral.  Os procedimentos foram instaurados contra candidatos eleitos em Coreaú, Nova Russas, Pacujá, Madalena, Fortaleza, Camocim e Pires Ferreira. Além disso, parlamentares também estão sendo alvo de ações dos promotores eleitorais. 

Condutas vedadas

Em Pacujá, na microrregião de Sobral, a promotoria pede a cassação de Raimundo Filho (PDT), e do vice José Antônio (PSL).  Além do indicativo de captação ilícita de votos, há suspeita de retenção de título contra a vontade dos eleitores, corrupção ativa, descumprimento de normas sanitárias e organização criminosa. O caso ainda vai passar por todo o trâmite processual antes de ser julgado pela Justiça.

Em Madalena, o MP quer a cassação da prefeita reeleita Sônia Costa (MDB). Segundo a promotoria, ela teria coagido funcionários de uma indústria. 

Em Pires Ferreira, de acordo com o MP, teria havido coação de servidores de cargos comissionados a votaram na candidatura que acabou sendo eleita. Na visão dos promotores, houve “superioridade hierárquica para beneficiar a candidatura”. 

Capital

Em Fortaleza, o pleito do Ministério Público também foi pela cassação do registro de candidatura ou dos diplomas do prefeito eleito Sarto Nogueira (PDT) e Élcio Batista (PSB). A investigação - que tramita em segredo de justiça -, envolve vereadores e indica suposta compra de votos e abuso de poder político e econômico durante a campanha. 

A assessoria do prefeito eleito de Fortaleza, Sarto Nogueira (PDT), disse ainda não haver intimação e, portanto, desconhecer o caso. Disse ainda que só comentaria o assunto após conhecimento. 

Abuso de poder

Para o Ministério Público, em Camocim houve abuso de poder político. O pedido é pela cassação da chapa. O deputado Sérgio Aguiar (PDT), que é citado na ação em Camocim, sustenta que ainda não tem conhecimento dos autos. “Tão logo formos cientificados do conteúdo apresentaremos a defesa. Somos obedientes à legislação eleitoral e o pleito ocorreu dentro da mais tranquila normalidade sem nenhum fato que levasse a comprometer a lisura do pleito”, afirmou.

A ação dos promotores em Nova Russas mira a prefeita eleita Giordanna Mano (PL) e o vice-prefeito Anderson Pedrosa (PMN). A investigação indica possível compra de votos e abuso de poder político. Foi aberto pedido de inelegibilidade de todos os promovidos e multa.

O pedido de cassação dirigido ao prefeito eleito Edézio Sitonio, de Coreaú, e da vice Érika, ambos do PDT, foi por abuso de poder econômico por parte dos representados, aponta o Ministério Público no pedido. 

A reportagem não conseguiu contato com os demais citados na matéria até a publicação. As informações serão atualizadas após os posicionamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário