RÁDIO CATARINA FM ONLINE AO VIVO

VOCÊ ESTÁ OUVINDO RÁDIO CATARINA FM ONLINE - ZAP 88-9-8845-4147 PROGRAMAÇÃO AO VIVO COM LOCUTORES: 07H AS 08H - 09H AS 11H - 12H AS 13H - 15H AS 17H.

Maioria da bancada cearense promete rejeitar reforma da Previdência

Foto: Agência Brasil
Governo e oposição fazem as contas. Até o fim desta semana está prevista a votação, no plenário da Câmara, da reforma da Previdência. Os debates iniciam nesta terça-feira e podem se estender até a quinta-feira (11), antes da apreciação do texto. Precisando de pelo menos 308 votos para avançar nos dois turnos, o Palácio do Planalto garante que tem 330 apoios. A oposição, por outro lado, diz que o Governo tem cerca de 260. A maioria da bancada cearense, formada por 22 deputados, se posicionou contra a reforma.Mais do que
números, as declarações integram um discurso estratégico em uma batalha política que pode ter a primeira etapa encerrada ainda nesta semana. Depois de aprovado na Comissão Especial, na última quinta, o projeto, se passar no plenário da Câmara, segue para enfrentar outra guerra no Senado Federal.
Como fórmula para tentar atrapalhar os planos do Governo, a oposição fechou questão contra a matéria. Ou seja, filiados de PT, PDT, PSB, PCdoB e Psol que votarem favoráveis ao texto governista podem sofrer sanções, como processos internos no Conselho de Ética que podem resultar em expulsão da legenda. O PDT, após votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, chegou a expulsar filiados em 2016 que contrariaram a orientação da sigla.
Segundo o deputado federal José Guimarães (PT), a oposição deverá se articular para obstruir a votação. A estratégia é enfileirar requerimentos para atrasar os trabalhos, além de enquadrar parlamentares pelas redes sociais.
"Estamos fazendo o corpo a corpo, de forma individual. Nós largamos com 150 votos e precisamos de mais 50", disse o petista, que garante que o Governo não tem os votos suficientes. "Concluímos uma reunião agora (ontem à noite), e não é verdade que o Governo tem os votos. Fizemos um levantamento bancada por bancada, e o Governo só tem 261 votos. Muito longe dos 330 que eles estão anunciando", diz o deputado.
O argumento é reforçado pela líder da minoria, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ). "Vamos continuar trabalhando para ganhar os dissidentes nas bancadas e não deixar votar a reforma neste primeiro semestre", sustentou.
Levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que a reforma tem apoio de 261 deputados. O número representa aumento de 14 votos favoráveis em relação a domingo (7), o maior apoio já registrado nas edições do Placar da Previdência.
PSL
Rebatendo a esquerda, o deputado Heitor Freire (PSL) afirma que o Planalto tem pelo menos 340 votos a favor da reforma. "Eles tentaram todos os artifícios de obstrução para embromar as comissões, mas perderam. O Governo tem condições de conseguir mais do que o mínimo de votos necessários para aprovar no Plenário", disse o governista.
Líder do PP, o deputado Arthur Lira (AL) diz que os líderes continuarão tentando mapear os votos. A expectativa, segundo ele, é pela aprovação. "Não estou vendo nesta Previdência o monitoramento de votos como a gente tinha no Governo passado. A gente sabia exatamente quem votava, que partido votava, e isso não ocorre agora", declarou. "Há uma perspectiva de 330, 320 votos, isso é muito solto. Qualquer erro de avaliação pode dar problema".

Nenhum comentário:

Postar um comentário